Ronaldo Caiado já tem "plano B" para recuperação econômica de Goiás

Diante da pressão e da continuidade da crise financeira em Goiás, o governador Ronaldo Caiado (DEM) parece não estar mais disposto a contar somente com a ajuda prometida pelo Governo Federal para a recuperação do Estado. Em entrevista ao programa Contraditório da TV Metrópole na noite da última segunda-feira (13/5), o chefe da Casa Civil, Anderson Máximo, confirmou que o governo já tem um “plano B” caso o socorro vindo Planalto venha a tardar.

Apesar da confirmação por parte do Palácio do Planalto de que o chamado Pacote de Equilíbrio Fiscal (PEF) será finalmente lançado nesta semana, a medida de socorro financeiro aos Estados ainda precisa passar pelo crivo do Congresso Nacional.

O PEF, que recebeu do governo o apelido de Plano Mansueto (em referência ao secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida), prevê a concessão de empréstimos com garantia da União (nos quais o Tesouro cobre eventuais calotes) no valor R$ 13 bilhões por ano. Questionado se o governo de Goiás possuía um “plano B” ou uma “carta na manga” caso o auxílio federal demorasse a chegar, Anderson Máximo confirmou que a estratégia, nessa hipótese, é recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF).

 

O chefe da Casa Civil, uma das principais pastas do governo, ainda declarou que a situação do Estado ainda é alarmante e que Caiado tem feito uma minuciosa análise dos contratos do Estado, “realizando enxugamentos onde devem ser realizados” como uma das formas de fazer caixa. Questionado sobre o polêmico projeto do governo que cortava o benefício do Passe Livre Estudantil de mais de 60 mil estudantes, Máximo simplesmente confirmou o recuo: “O projeto já foi retirado”.

Ronaldo Caiado demonstrou impaciência com o Governo Federal para auxílio na recuperação econômica do Estado

O alinhamento ideológico e a proximidade entre Ronaldo Caiado e o presidente Jair Bolsonaro parecem não ter surtido muito efeito na prática. Em entrevista na rádio Sagres730 no início do mês, Caiado revelou-se impaciente com a demora da União de enviar ao Congresso o projeto da Lei de Equilíbrio Fiscal dos Estados. O governador revelou que reclamou diretamente ao ministro Paulo Guedes sobre a questão, pedindo celeridade no socorro financeiro.

Isso porque o Governo Federal havia prometido enviar o projeto no início de abril para votação até  o fim do mês. Entretanto, a promessa não foi cumprida. O lançamento da medida só foi confirmado ontem (13/5) pelo Palácio do Planalto, mas precisará ser aprovado pelo Congresso Nacional para entrar em vigor.

Rate this item
(0 votes)

Deixe um comentário em nosso mural

Certifique-se de inserir todas as informações necessárias, indicadas por um asterisco (*). Código HTML não é permitido.

Notícias Recentes

CURTA NOSSA PÁGINA

Imagens Notícias

Cenas fortes!! Três detentos são mortos durante briga de facções em presídio (Veja vídeo)

Manifestação contra cortes na educação reúne milhares, em Goiânia Segundo organizadores do evento cerca de 25 mil pessoas participaram do ato.

Goiânia tem árvores com pelo menos 80 anos e 300 espécies nativas e exóticas

Comissão do Senado aprova que presos paguem por gastos na prisão

Após faltar duas vezes, policial civil acusado de matar a mulher enfrenta júri popular em Goiânia

Ronaldo Caiado já tem "plano B" para recuperação econômica de Goiás

“Negligência da CPP matou meu marido”, diz esposa de detento morto com tuberculose

Moro afirma que não há acordo para assumir cadeira no STF

Pescador encontra cadáver boiando em represa de Goianésia