Após faltar duas vezes, policial civil acusado de matar a mulher enfrenta júri popular em Goiânia

O policial civil Aluísio Araújo de Paula Frazão, de 54 anos, acusado de matar a mulher, Renata Georgiane Souza Leite, de 32, enfrenta júri popular nesta terça-feira (14), em Goiânia. O crime ocorreu em 2013. A sessão ocorre após dois adiamentos, ambos motivados pela ausência do réu, que justificava as faltas por meio de atestados médicos e da constituição recente de advogados.

O julgamento é presidido pelo Jesseir Coelho de Alcântara. Aluísio responde por homicídio qualificado por motivo fútil. A vítima foi assassinada com um tiro a queima-roupa na boca.

O promotor de Justiça Maurício Gonçalves de Camargos disse que vai sustentar a condenação por homicídio doloso, que é quando há a intenção de matar. "Temos várias provas, a confissão de autoria, o laudo, o confronto microbalístico, o tiro de encosto. Vou provar que o disparo foi um ato voluntário", afirma.

Já o advogado do réu, Thales Jayme, reconhece a autoria, mas vai trabalhar por uma absolvição, alegando que o tiro foi acidental.

"Foi uma fatalidade por conta de imprudência. O disparo foi acidental. Se os jurados não entendem assim, vamos tentar desqualificar o homicídio doloso para culposo. E ainda podemos mencionar homicídio privilegiado, provocado por violenta emoção", destaca.

 
Renata Georgiane Souza Leite foi morta em 2013 — Foto: Sílvio Túlio/G1Renata Georgiane Souza Leite foi morta em 2013 — Foto: Sílvio Túlio/G1

Renata Georgiane Souza Leite foi morta em 2013 — Foto: Sílvio Túlio/G1

Alguns familiares da vítima compareceram à sessão vestindo camisetas com a foto de Renata estampada. A tia dela, Delma Souza, diz que o policial é culpado e deve pagar pelo que fez.

"Queremos a vitória, queremos justiça. A família ainda está muito abalada. Não temos dúvida que ele tinha a intenção de matá-la", desabafa.

 
Delma Souza cobra punição pela morte da sobrinha, Renata Georgiane — Foto: Sílvio Túlio/G1Delma Souza cobra punição pela morte da sobrinha, Renata Georgiane — Foto: Sílvio Túlio/G1

Delma Souza cobra punição pela morte da sobrinha, Renata Georgiane — Foto: Sílvio Túlio/G1

 

Remarcações

 

O júri foi marcado inicialmente para o dia 29 de novembro do ano passado. Porém, como o policial não compareceu, a sessão foi remarcada para o último dia 14 de março, quando Aluísio também não foi. Em ambos os casos, ele alegou estar doente e apresentou atestados.

Na segunda falta, o juiz decretou a prisão dele, cumprida no dia 19 de março. Ele segue no presídio desde então.

 

Crime

 

Segundo a denúncia, Renata foi assassinada no dia 5 de maio de 2013, na casa onde o casal vivia, no Parque Amazônia.

O Ministério Público apurou que, naquele dia, os dois beberam e houve uma briga sobre uma possível separação. Durante a discussão, conforme a denúncia, Aluísio pegou uma arma, atirou na mulher e fugiu em seguida.

A investigação apontou que o casal vivia um relacionamento conturbado e já tinham se separado e reatado algumas vezes.

Veja outras notícias da região no G1 Goiás.

Rate this item
(0 votes)

Deixe um comentário em nosso mural

Certifique-se de inserir todas as informações necessárias, indicadas por um asterisco (*). Código HTML não é permitido.

Notícias Recentes

CURTA NOSSA PÁGINA

Imagens Notícias

Cenas fortes!! Três detentos são mortos durante briga de facções em presídio (Veja vídeo)

Manifestação contra cortes na educação reúne milhares, em Goiânia Segundo organizadores do evento cerca de 25 mil pessoas participaram do ato.

Goiânia tem árvores com pelo menos 80 anos e 300 espécies nativas e exóticas

Comissão do Senado aprova que presos paguem por gastos na prisão

Após faltar duas vezes, policial civil acusado de matar a mulher enfrenta júri popular em Goiânia

Ronaldo Caiado já tem "plano B" para recuperação econômica de Goiás

“Negligência da CPP matou meu marido”, diz esposa de detento morto com tuberculose

Moro afirma que não há acordo para assumir cadeira no STF

Pescador encontra cadáver boiando em represa de Goianésia